Portal Cabrobó News - Sua fonte de notícias na cidade de Cabrobó - PE

Notícias/Regional

Toma posse a primeira indígena aprovada para Defensoria Pública da Bahia

Aléssia Pamela Bertuleza Santos, 29 anos, é integrante da comunidade Tuxá, de Rodelas, no Norte da Bahia,

Toma posse a primeira indígena aprovada para Defensoria Pública da Bahia
Ascom/Defensoria Pública_BA
IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

As esperanças por ampliação do acesso à justiça e à cidadania ganharam reforço na Bahia. No fim da tarde da segunda (20), a Defensoria Pública do Estado (DPE/BA) empossou 20 novas defensoras e defensores públicos aprovados no oitavo concurso da carreira. 

Realizada no auditório Luiz Gama do Tribunal Regional Eleitoral em Salvador, a solenidade foi transmitida pelas redes sociais da DPE/BA. Por razões sanitárias, relacionadas ao controle da transmissão da covid-19, a celebração contou com presença limitada de convidados.

A cerimônia se destacou por efetivar o ingresso da primeira defensora de origem indígena na Defensoria Pública da Bahia e foi marcada por discursos que relembraram o legado do defensor público Raul Palmeira, recentemente falecido, além dos desafios no combate às injustiças e desigualdades que impactam na garantia de direitos para as populações e grupos socialmente vulneráveis.

Integrante da comunidade Tuxá, do município de Rodelas, no Norte da Bahia, Aléssia Pamela Bertuleza Santos, 29 anos, foi aprovada em 7º lugar no VIII concurso para a carreira.

Graduada pela Universidade Estadual de Feira de Santana – UEFS e professora de carreira jurídica, Aléssia teve a segunda maior pontuação do exame de arguição oral do certame. 

Saudando suas raízes e assinalando sua origem econômica e familiar que a enquadrariam como assistida da Defensoria, Aléssia Bertuleza Tuxá, discursou como primeira indígena a tornar-se defensora pública do Estado da Bahia. Ela destacou os esforços “contramajoritários” da DPE/BA que levaram a inclusão da reserva de vagas para população indígena após mudança na lei orgânica da carreira. 

“Àqueles que hoje levantam suas vozes para alegar sobre a demora na adoção de tal medida, deve-se oferecer como reposta o silêncio gritante da omissão que se estende nas demais instituições do sistema de justiça que segue perpetuando o racismo estrutural que marca a sociedade brasileira”, disse.

Manifestando honra por passar a ocupar o cargo, Aléssia Tuxá destacou que sua possibilidade de fala na solenidade permitia ecoar uma voz constantemente silenciada. “Uma voz que grita, há séculos, dores intencionalmente inviabilizadas. A voz dos povos indígenas do Brasil. Uma indígena adentrar as portas da Defensoria Pública como membro, não por ser mais uma vítima das violações de direitos, é algo que alimenta a chama da esperança. Que a honra de fazer uso deste microfone [na solenidade], possa ser ampliada para mais indígenas, porque sou a primeira, mas logo não serei a única”, concluiu.

FONTE/CRÉDITOS: Com informações da Ascom/Defensoria Pública_BA
Comentários:

Veja também

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!

Olá. Voce desejar receber as noticias no seu whatsApp ? Envie a a msg (SIM)